A Estrada Nacional 2

A Estrada Nacional 2 foi o primeiro grande eixo rodoviário a ligar verdadeiramente Trás-os-Montes ao Algarve.

De  Chaves a Faro, 737 km de norte a sul.

Meti-me em 2007 na aventura de fazer o trajeto Faro/Viseu pela Estrada Nacional 2 e foi das melhores aventuras em que me meti.

Como Estrada Património, a EN 2 tem levado machadadas muito grandes. Há troços completamente destruídos e em algumas povoações, como São Brás de Alportel, perdeu estatuto e foi humilhantemente transformada em rua de sentido único…

O melhor trabalho que lhe foi executado foi entre Alportel e Almodôvar, onde em 2003 beneficiou de obras de restauro que lhe respeitaram o estilo e lhe dão um ar de estrada antiga.

É difícil encontrarmos a história da Estrada Nacional 2. Sabe-se que foi Estrada Real nos finais do séc. XIX, em 1884 era a Estrada Districtal nº 128 (de Faro a Castro Verde), em 1910 era a Estrada Nacional nº 17 (de Faro a Beja), depois foi a Estrada Nacional nº 19-1ª e desde 1944 é a Estrada Nacional nº 2…e só ganhou alcatrão no Algarve na década 30 do séc. XX (dominava então o empedrado).

Posso ainda contar-vos alguns apontamentos históricos sobre a Estrada Nacional 2:

As expropriações para o troço de Barranco do Velho ao Ameixial foram feitas de 1879 a 1883;

A construção do troço  de Faro a Alportel foi concluída em 1873;

O troço Alportel / Barranco do Velho foi acabado em 1883;

O troço Barranco do Velho / Cortelha foi estreado em 1886;

O troço da Cortelha à Cumeada dos Cavallos (atualmente Cavalos) foi concluído em 1884, tal como o troço da Cumeada dos Cavallos ao Ameixial;

O troço do Ameixial à Ribeira do Vascão foi construído de 1889 a 1914;

A ponte sobre a Ribeira do Vascão só foi concluída em 1913;

De 1944 a 1949, procedeu-se à demolição e construção de 12 casas no Ameixial, para alargar a EN 2 (aproveitaram e restauraram as fachadas da Escola e do cemitério);

De 1946 a 1950, chegou pela 1ª vez o alcatrão ao troço de São Brás de Alportel ao Ameixial;

Em 2003, o troço algarvio passou a contar com tapete betuminoso.

Da próxima vez que utilizar a Estrada Nacional 2, você vai olhá-la com outros olhos, não vai ?!…

Ah! E já me esquecia de dizer que o marco da foto é o marco mais ao sul da Estrada Nacional 2. Em Faro, obviamente.

Advertisements

54 Respostas to “A Estrada Nacional 2”

  1. Vitor Madeira Says:

    Este deve ser o artigo mais popular do seu (excelente) blogue.

    E eis que os políticos (também) começam a abrir o olhinho para o filão que isto representa.

  2. João Correia Says:

    A saída de Viseu a partir do Rossio faz-se pela Avenida 25 de Abril, passamos a primeira rotunda e sempre em frente entramos na avenida do Regimento de Infantaria 14. Passamos por um local chamado Repeses e na sexta rotunda a partir de Repeses, viramos á direita um pouco antes de Vila Chã de Sá, passamos por um local chamado Fail, do Rossio até aqui são 9 km, mais 3 km à frente estamos no que pouco que resta da EN-2 aqui em Viseu, para continuar é seguir as direções de São Miguel do Outeiro, Sabugosa, Canas de Santa Maria e Tondela.
    Este é o troço mais confuso e sem informação até porque troços desta estrada têm simultaneamente nomes de ruas ou de estradas municipais.
    Depois de Santa Comba Dão e na falta e EN2 seguir A IP3 durante cerca de18 Km, saindo após Oliveira do Mondego, ai retoma a EN2 seguindo a direção de Porto da Raiva e daí sempre junto ao Rio Mondego até Penacova.

    Boa viagem pela EN2

  3. João Xavier Says:

    Ainda não trabalho com GPS. Tenho-me orientado sempre com mapas.
    Cumprimentos.

  4. maria Says:

    muito bonito o seu blog. parabéns!
    tenho feito troços da EN2 mas falta-me fazê-la completa…
    uma pergunta: consegue dar coordenadas de GPS para os locais mais difíceis entre Viseu e após a barragem da Aguieira? e as coordenadas do último marco, em Faro (nunca o descobri).

  5. Manuel Jesus Says:

    Mais uns Marafados na estrada N2 de Chaves a Faro.

    Estrada Nacional 2… de Chaves a Faro em BTT

    Entre os dias 24 e 29 de Junho de 2014 a Estrada Nacional 2 vai ser atravessada em BTT por dois amigos de longa data. Juntamente com a travessia estes dois BTTistas e também Geocachers vão tentar encontrar todas as geocaches ao longo desta mítica estrada, algo que é inédito pois à data ninguém tem todas essas geocaches encontradas. É um enorme desafio que vamos a todo o custo tentar superar.
    quinta-feira, 1 de Maio de 2014
    Tudo começa pelo início…
    Apesar da primeira etapa estar agendada para dia 24 de Junho, muita tinta, muitos bits e bytes, muitas ideias, muitas decepções deram o ar da sua graça e rolaram por ai.
    A preparação desta aventura começou algures no primeiro dia do ano, dia 1 de Janeiro de 2014.

    Como em qualquer projeto desportivo (já parece a disciplina de GPPD de 10º ano do curso profissional de desporto : D) as 8 questões básicas ajudam-nos a inicializar todo o processo.
    O quê? Quando? Onde? Por quem? Para quem? Com quem? Como? Para quê?

    A partir daqui foi um começar de “desbravar mato”, pesquisar algo semelhante que já tenha sido feito, tentar identificar as dificuldades encontradas, etc etc etc…

    A ideia estava definida e sabia já o que queria fazer, ou seja, a primeira resposta à primeira pergunta base “O que?” estava encontrada.
    O quê? – A nacional 2 em BTT do km 0 (zero) para o km 737 em BTT e tentando encontrar todas as geocaches ao longo do percurso, geocaches essas que fazem parte da badges disponibilizada pelo geopt (estatisticas/badges)
    As restantes perguntas seriam respondidas a seu tempo. Para já , o importante era saber exatamente o que queria fazer e isso já o sabia.

    Publicada por António Guerreiro à(s) 21:22
    Enviar a mensagem por e-mailDê a sua opinião!Partilhar no TwitterPartilhar no FacebookPartilhar no Pinterest
    1 comentário:

    Unknown7 de Maio de 2014 às 19:29

    Grandes Marafados, assim é que é! É daquelas coisas que também gostaria de fazer.
    Vou estar atento ao percurso.
    Manuel Jesus

  6. Eduardo Louro Says:

    Ei malta: já a fiz toda!!!
    Infelizmente, estive desempregado, no Fundo de Desemprego.
    E sabem qual foi o meu antibiótico para curar a depressão de desempregado? Peguei na autocaravana e meti-me a caminho!!
    737 Kms de puro prazer! De poucura! De muuuuuuiiitaaa curva…
    Mas, meus caros, Portugal é lindo. E mais bonito ficou percorrendo todos esses kms pela nossa amante (N2).
    Recomendo a todos:
    – GPS
    – fazer a N2 por etapas (esqueçam o “engolir alcatrão”)
    – visitar aldeias históricas

    Perdi-me no percurso da Barragem da Aguieira (zona da Mortágua): faltam vários marcos, porque a construção da Barragem decepou a N2 em vários kms. No entanto, lá a voltei a encontrar quase no IP3, entre Penacova e Mortágua.

    Jamais hei-de esquecer o amor que a N2 me deu.
    E quero voltar a sentir esse amor que ela me deu.

  7. Manuel Jesus Says:

    Eu tambem farei parte da lista de amigos da Nacional 2,
    ainda agora na ultima quinzena de Abril de 2013, percorri a metade a sul do Rio Tejo e até ao Algarve,
    A Nacional 2 tem partes deste traçado em boas condições, mas também tem alguns troços em que requere alguns cuidados com alguma urgência, o ultimo inverno deteriorou algum do piso mais antigo e carece agora de alguma remodelação.
    Ainda ontem dia 23 de Abril 2003, percorri o traçado entre Ponte de Sor e Montemor-O- Novo e constatei mais uma vez que entre o Km 490 e o Km 520, esta parte do traçado está já em elevado estado de degradação e carece de novo piso.

  8. Júlio Says:

    …eu também quero estar nesse “barco”… da “Liga dos Amigos da N2”.

  9. Jorge Santos Says:

    serei eu sócio tambem da liga dos amigos da estada NACIONAL 2 (N2)

  10. Eduardo Louro Says:

    Olá!
    Sou mais um amante da EN2, a nossa rainha esquecida e mal-tratada!
    Sou fascinado pelo País, a Nação que a construíu. E que nas ultimas décadas a votou ao esquecimento e abandono.
    Se um dia formarmos a “Liga dos amigos da EN2”, eu quero estar presente e fazer parte dessa Liga.
    Por motivos profissionais, faço-la com frequencia, felizmente num troço recuperado, tanto de alcatrão, como de largura da estrada.
    Embora com muitas curvas…
    O percurso é compreendido entre Góis (rotunda do Alvém EN342 com a EN2), até Pedrógão Grande – centro. Com passagem pela mítica aldeia da Picha. E perto do marco Km300.
    Obrigado a todos.
    Eduardo Louro

  11. Edgar Nascimento Says:

    Caro Luis~: o email falhou a entrega

  12. Jorge Santos Says:

    http://namastibet.blogspot.pt/search?updated-max=2011-06-20T16:21:00%2B01:00&max-results=500

  13. Edgar Nascimento Says:

    Caro Luis, enviei-lhe email com duas fotos.
    Cumprimentos
    Edgar Nascimento

  14. João Correia Says:

    Caro Luís
    Tentei enviar as fotos que solicita, mas talvez algo errado com o seu e-mail porque o mail que enviei veio devolvido

  15. Luís dos Anjos Says:

    Bom dia. Sou um flaviense residente em Leiria e colaborador regular de um jornal em Chaves. Estou a preparar um texto sobre as viagens de antigamente pelas estradas nacionais e muito gostaria de o ilustrar com uma foto do marco do km zero da EN2. Estive em Chaves este mês, mas não tive oportunidade de ir ao local tirar uma foto. Ficaria muito agradecido se fosse possível o seu envio por e-mail (luisdosanjos@iol.pt). Obrigado e cumprimentos.

  16. João Correia Says:

    http://estradanacional2chavesfaro.blogspot.com
    Tenho neste blog fotos e local do marco 737, bem como de toda a EN-2

  17. alexandre Says:

    Caro João Correia, também eu pretendia essa informação. Será que entretanto, alguém passou por lá (marco do km 737) e registou as coordenadas?
    Obrigado

  18. João Correia Says:

    No seguimento do meu recente Blog http://estradanacional2chavesfaro.blogspot.com acabei de inserir no Youtube um video com excertos da Estrada Nacional 2, ficou péssimo depois de transferido, pois a resolução perdeu bastante devido a ter sido transferido de suporte de cassete mini DV, como é longo e o youtube redemensiona os megas do video, penso ser essa a razão, era para o retirar mas deixei-o ficar apesar da péssima resolução quando se vê em ecrâm inteiro.

  19. João Correia Says:

    Acabei de publicar um blogue onde narro toda a viagem pela mais antiga estrada portuguesa, a estrada nacional nº 2
    O Blogue chama-se Pela Estrada Nacional 2 de Chaves a Faro, tem mais de 300 fotos como um complemento dos textos em género reportagem, poder ser visto na seguinte hiperligação.

    http://estradanacional2chavesfaro.blogspot.com

    Cumprimentos, a todos os amantes da EN-2

  20. Jorge Santos Says:

    uma boa viagem amigo

  21. Nuno Cardoso Says:

    Boa tarde a todos, alimento tambem o fascinio da N2, e estou na fase de estudo de mapas e preparaçao da viagem com saída e regresso à terra do bacalhau em Ilhavo.Cerca de 1.400km com a minha companheira RT1200. Pelo que agradeço toda a informação possivel com especial destaque para possiveis pontos de maior perigo ou exigencia e pontos de merecida paragem. Grato a todos e boas curvas.
    Nuno Cardoso

  22. Jorge Santos Says:

    a foto do marco 0 está no meu blog http://namastibet.blogspot.com

  23. Nuno Godinho Says:

    Saudações, por curiosidade e gosto em conhecer o nosso Portugal mais puro (interior) e por alguns eventos que tem ocorrido ultimamente sobre a EN2, encontrei o vosso site.
    Estou a preparar uma viajem de 2 rodas (motorizadas  ), na qual seja possível visitar os pontos mais interessantes sejam eles relacionados com a natureza, históricos, povoações (até as mais remotas) e acima de tudo contactar e conviver com as pessoas locais.
    Pelo que que já li existem aqui muitos amantes desta estrada e de toda a sua envolvência, peço-vos amabilidade de partilharem comigo, caso seja possível, os vossos itinerários, relatos e apontamentos sobre as vossas aventuras na descoberta desde chaves até faro pela EN2.
    Deixo aqui o meu email: four.all.kids@gmail.com e o meu agradecimento por partilharem o vosso trabalho.
    Continuação de boas descobertas do que é nosso.

  24. João Correia Says:

    Efectuei na semana passada toda a EN2 desde Chaves a Faro,como sou do Algarve e fui iniciar a Chaves o percurso até Chaves foi igualmente por outras estradas secundárias,algumas bem perto da EN2,Elaborei durante meses um Road Book que depois de pronto e encadernado contava com 220 páginas que iam desde os mapas ampliados e pormenorizados até ás informações sobre todos os locais que passamos.
    Considero uma viagem deste tipo épica,já fiz outras identicas noutros países mas tem um gosto especial por ser na nossa terra e com a nossa gente,e a qual aconselho aos adeptos deste tipo de viagens, pois passamos pelo Portugal real e profundo onde desde culturas distintas à gastronomia a viagem revela-se um desafio aos sentidos, foram 10 dias,5 para chegar a Chaves e 5 para a EN2 que foi feita sem metas de tempo,dando para absorver quase tudo no seu trajecto.
    Tenho mais de 2000 fotos e 2 horas de video,onde muitas imagens foram captadas em andamento,em zonas espetaculares da EN2,fruto de um suporte mágnetico de tejadilho para a camâra de video,estou editando todo este material,e espero fazer um blog detalhado bem como um video para o youtube a semelhança do que tenho feito com outras viagens.
    Obrigado a todos que pelas suas dicas contribuiralm para a minha pesquisa sobre esta mitica estrada.

  25. joão correia Says:

    Em relação ao marco do Km 737,em Faro em que local exato é que ele se encontra.. Obrigado.
    Quando falei no troço Almodovar – Faro,queria dizer que o quero fazer independente do resto,por razões logisticas,pretendendo fazer em 3 dias,ou 4 o restante desde Chaves até Almodovar,isto tendo em conta o planificador do GPS e do Via Michelan,acrescentando as paragens e visitas de interesse no percurso.Obrigado pelas excelentes dicas.

  26. João Xavier Says:

    O troço entre Faro e Almodôvar faz-se em menos de duas horas.
    Se a opção é fazer o percurso em pouco tempo, dá para chegar mais a norte no 1º dia.
    Eu prefiro ir parando muitas vezes, para descansar, contemplar, fotografar, conversar e caminhar…
    Boa viagem.

  27. joão correia Says:

    Neste momento estou desenhando e planeando fazer toda a EN 2,de uma ponta à outra,embora já conheça alguns troços do Alentejo,como sou do Algarve planeio num dia fazer Faro / Almodôvar,e posteriormente fazer Chaves Almodôvar em trés dias,este plano de ir começar de Norte para Sul tem a ver com iniciar no km 0,e por efectuar a viagem do Algarve para Chaves por Espanha onde se poupa bastante em Gasolina.
    Tudo o que aqui li é de extrema importancia para quem pretenda fazer esta mitica estrada,facto que desde já aqui deixo os meus agradecimentos,perguntaria aos experientes se 3 dias é suficiente para o percurso,ou se será melhor 4,planeio pernoitar uma noite em Chaves para iniciar o percurso de manhâ cedo no dia seguinte,pernoitando depois mais ou menos nas zonas de Gois e Ponte de Sor,se alguem me puder elucidar agradecia

  28. Edgar Nascimento Says:

    Boa noite.
    Há duas semanas fiz todo o percurso, desde o centro de Faro até ao km Zero. Foram três dias, com muito para ver e com vários registos fotográficos. E entre as várias peripécias, uma muito curiosa: parado nos semáforos do Ciborro (se não estou em erro), estava sintonizado na Rádio Comercial. Ora, nos 2/3 minutos em que estive parado no vermelho, o rádio apanhou na mesma sintonia a… Rádio Amália. Mal avancei, voltou a Comercial. Um fenómeno? Talvez… Mas apenas para partilhar que este era um projecto já com 15 anos e que apenas agora concretizei. E recomendo vivamente, pois é uma aventura e uma óptima forma de conhecer o verdadeiro Portugal, em toda a sua plenitude. Só é pena alguns troços estarem degradados e nem marcos de estrada terem (nomeadamente entre o Pedrógão e Góis, por exemplo) e na zona do IP3 é complicado ‘achar’ a EN2… De resto, há paisagens espectaculares e o trânsito, quase nulo. Para terem uma ideia, desde Faro, a primeira ultrapassagem que fiz (circulei sempre no máximo a 90 km/h) foi após Vila de Rei…

  29. João Xavier Says:

    A Estrada Nacional 2 em alguns troços foi pura e simplesmente destruída; noutros foi despromovida e noutros foi rebatizada…
    Basicamente, o meu percurso iniciou-se em Faro e passou por Ameixial, Castro Verde, Aljustrel, Ervidel, Ferreira do Alentejo, Mora, Ponte de Sor, Vila de Rei, Góis, Vila Nova de Poiares, Penacova e Santa Comba Dão, até Viseu.
    Cordiais cumprimentos.

  30. sandro g. Says:

    Boa tarde!eu tb tou para fazer esse trajecto…qual foi o trajecto que tomou..há partes do traçado que não consigo apanhar no mapa…
    obrigado pela dica

  31. Jorge Santos Says:

    (usei a sua foto no meu blog,espero que não se importe,quando passei por este marco ainda pensava não conseguir acabar o percurso que me propunha fazer,obrigado)

  32. jorge Says:

    obrigado pelo seguimento (único) da minha viajem nada se pode passar (não permito) que me demova ,agora só penso na possibilidade de fazer a rota da seda em bicicleta por etapas,ainda me doem as costelas mas espero melhorar espero terminar este ano a travessia em corrida dos Pirenéus o ano passado havia demasiada neve e apenas consegui 150 km..
    um abraço e obrigado pelo apoio
    jorge santos

  33. Manuel Says:

    Parabéns pela façanha, uma travessia de bicicleta por toda a Nacional 2, é de facto algo de registo.
    Parabéns.
    Ao ler o blog fiquei chocado com as peripécias do final da viagem, lamentável, enfim, uma recordação menos feliz, espero que nunca mais se repita, um incidente deste tipo.
    Devemos seguir em frente com pensamentos positivos.
    Manuel Jesus

  34. jorge Says:

    http://namastibet.blogspot.com
    (acabei a estrada nacional 2 de bicicleta)

  35. Alberto Manuel Henriques Barata Says:

    Nasci encostadinho à EN 2, numa casa de cantoneiros pertencente à então JAE no lugar da Póvoa da Cerdeira, freguesia e concelho de Góis-Coimbra.

  36. odamA Says:

    Muito obrigado pela resposta tão rapida e precisa, o email:
    odamatenere@gmail.com

    Já tenho o itinerário completo da EN2 (n2).
    Adquiri alguns mapas antigos 1951/69/73 e 1098 (ainda eu nem tinha nascido)(10/02/75), com o google maps tracei o que consegui e espero pelo dia 24 e 25 de junho.

    Muito obrigado

  37. Manuel Says:

    As fotos podem ser visualizadas aqui:
    https://picasaweb.google.com/mojesus/EN2Km500#

    Cumprimentos.
    Manuel Jesus

  38. Jorge Santos Says:

    gostaria de ver as fotos,mas não sei onde (aqui não estão)
    um abraço

  39. Manuel Says:

    O prometido é devido, embora com algum atraso, junto ao texto, as fotos do Km 500 da EN2, a fabulosa estrada Nacional, que tem o seu inicio em Chaves, a bela cidade Transmontana do Norte de Portugal, a qual segue a espinha dorsal deste nosso belo País, “Portugal”, até ao Sul, atravessando montanhas e vales, atingindo após a sua passagem pelas belas planícies Alentejanas, a nobre cidade “Mourisca de Faro”.

    Para os interessados as duas fotos abaixo do Km 500, da EN2, este ponto quilométrico, encontra-se localizado na aldeia do CIBORRO, no Alto Alentejo. Muito perto da Igreja local da aldeia e junto ao “Cruzeiro” símbolo e monumento católico local.

    Gostaria de chamar a atenção para um pormenor curioso e que talvez seja único na historia de toda a N2 e de todos os pontos Km.

    Por necessidade urbanística local, este ponto Km, teve que ser deslocado cerca de 20 metros mais para Sul, da sua referência original, e aqui aconteceu o tal pormenor curioso.

    O dito marco quilométrico Km 500, foi colocado em cima de um muro que na altura ali foi construído, a cerca de um metro de altura em relação ao piso da EN2. No anterior local da sua origem, ao nível da via e devido a sofrer problemas com alguns pequenos acidentes, os quais, estavam a destruir as suas faces, foi decidido mudar ligeiramente este marco Km 500, um pouco mais no sentido sul, não só para a sua maior visibilidade, bem como a sua protecção.

    Na altura dos acontecimentos da referida alteração, foi ainda este marco Km 500 beneficiado, ou seja limpo e repintado.

    O Km 500, como pode ser visualizado nas fotos, em uma das suas faces apresenta, o inicio e o fim da EN2 a seguinte nota como

    indicação Chaves a Faro e nas outras o sentido do Norte, no caso Mora a Chaves e no sentido do Sul a indicação, Montemor-o-Novo a Faro.

    Este marco Km 500 da EN2, é por todos estes motivos e não só, um marco quilométrico especial e pelo qual a população local nutre um certo carinho.

    É, uma referência da aldeia do Ciborro na EN2, bem como da sua igreja, também no local existe uma nascente subterrânea que durante muitos anos, antes da aldeia ter serviço de água canalizada, abastecia e ainda abastece uma fonte, a qual, no momento está um pouco degradada, mas que tinha uma agua especial um pouco alcalina, mas quem bebia daquela água, normalmente estava protegido, de uma doença muito comum conhecida no passado por doença das “sezões”, doença que na primeira metade do seculo XX, ceifava a vida prematuramente a muita gente.

    No momento, a junta de freguesia local, tem um plano para recuperar este e outros fontanários que existiam na aldeia, como uma outra fonte local que tinha e tem ,o nome de “Fonte Santa”. Recordo que no passado, como já afirmei em um outro poste, aqui colocado, esta aldeia era muito procurada, por pessoas com problemas de saúde, vindas de diferentes pontos do País, que aqui encontravam os benefícios para os seus padecimentos, devido ao seu clima local um pouco especial.

    No momento a EN2, na zona compreendida entre Mora e Montemor-o-Novo, está a sofrer alterações para melhor, em todas as pontes e viadutos, o que muito irá contribuir para a circulação rodoviária nesta zona maravilhosa do nosso Alentejo.

    Enfim, historia, das historias da N2 e do Km 500.

    Valencas

    visite: http://www.sitesmaisuteis.pt

    Best regards.
    Manuel Jesus

  40. Júlio Says:

    Para os interessados, informo que foi publicado em Dezembro de 2010 o livro EN2 do professor João Catarino sobre a sua viagem em Julho de 2009, pela N2. São registos da viagem na forma de ilustrações e pequenos textos. O livro pode ser encontrado nas Fnac por todo o país, em Lisboa na livraria Ler Devagar e no Chiado na loja “Vida Portuguesa”, em Cascais na Livraria Galileu, em Torres Vedras na casa Ruím e nas Caldas da Raínha na Livraria 107. O original está publicado em:
    http://desenhosdodia.blogspot.com/2009_12_01_archive.html

    ou em vídeo:

    http://www.ionline.pt/itv/16239-atravessar-o-pais-pela-en2—1-parte-viagem-chavesviseu

    http://www.ionline.pt/itv/16240-atravessar-o-pais-pela-en2-2-parte-viagem-viseugois

    http://www.ionline.pt/itv/16238-atravessar-o-pais-pela-en2–3-parte-goismontargil

    http://www.ionline.pt/itv/16312-atravessar-o-pais-pela-en2—4-parte-viagem-montargilfaro

    Certo da vossa melhor atenção para este assunto, com os melhores cumprimentos

    Atentamente,
    Júlio Nascimento

  41. Júlio Says:

    Olá, boa noite desde Vila Real.

    Em resposta ao amigo odamA, seguem as coordenadas exactas (google earth) da rotunda onde está localizado o quilómetro “zero”, a saber:
    41°44’12.24″N
    7°27’53.77″W
    Em relação à fotografia, não sei com a posso remeter para o amigo odamA, uma vez que desconheço o seu e-mail.
    Um abraço e votos de boa viagem pela N2 em 24/25 de Junho de 2011.

    Júlio

  42. odamA Says:

    muito boa tarde

    gostaria de saber onde é o marco zero, sei que se encontra num belo jardim em chaves mas ainda não descobri onde….agradecia a visualização da foto do dito marco e se possivel a localização.
    desde já agradeço a sua atenção a este email. e irei completar “toda” a n2 em 24 e (o vise-versa) em 25 de junho de 2011.

    muito obrigado

  43. Jorge Ferreira Says:

    Boas…

    Caso não saibam ainda há um pequeno troço da EN2 com empedrado, no distrito de Setúbal onde a estrada ainda está num péssimo estado… Entre o Torrão e o distrito de Beja…
    No entanto vai ser por pouco tempo, pois está já adjudicado o tão esperado arranjo desta estrada pelas populações que a usam… inclusive já estão as placas da beneficiação na estrada…

    Foi necessário a EP acabar com as distritais e criar as regionais… pois a JAE de Setubal não queria saber daquele troço para nada (aliás… como é sabido as estradas deste distrito são “maravilhosas”)….

  44. Jorge Santos Says:

    nesta primavera ,(assim que mudar a hora) farei a ultima etapa, Góis/Chaves (280 km) mas talvez finalize no Cantábrico( mas noutra etapa) seguinte,será de mar a mar (atlântico Cantábrico)
    não se esqueça de enviar o link das fotos
    (eu irei publicar algumas ,não muitas, em
    http://namastibet.blogspot.com)
    boa sorte…

  45. Miguel Menezes Says:

    Estou a planear fazer esta estrada este ano no meu Sunbeam Alpine de 1962
    Vou mais um fotografo amigo e vamos fazer imensas fotos
    Depois vou colocar algumas

  46. Jorge Santos Says:

    obrigado,farei mais algumas fotos antes de finalizar

    http://picasaweb.google.com/namastibet/MontemorGois?locked=true#

  47. Manuel Says:

    Ok.
    Oportunamente, irei tirar fotos ao Km 500 da EN2. Esta estrada é de facto excepcional, e tem muita História ao longo do seu caminho.
    Será uma estrada a ser em breve mais usada, penso eu, isto será devido ao facto da historia recente das SCUTS, É uma belíssima estrada entre o Norte e o Sul, na zona a Sul do Tejo o traçado que melhor conheço, existe muita coisa interessante, ao longo do seu percurso. Cerca do Km 496 por exemplo, existe uma fonte de aguas límpidas que corre á superfície da terra e que é um dos afluentes que desagua no rio Sorraia, que passa pelo centro da vila/cidade de Coruche, o qual por sua vez, desagua no rio Tejo e vai até ao oceano Atlântico na zona de Lisboa. Isto vem a propósito da referida nascente, a sua água desde os tempos do Neolitico, não pára de correr e é uma água muito pura. A esta zona da nascente os povos antigos e também os actuais chamavam e chamam a esta zona a água doce, cujo nome se mantém até aos dias de hoje.
    Isto para referir a localização do que relato em seguida.
    Cerca desta nascente a céu aberto da água doce, existem 3 DOLMENS, dois no sentido sul da EN2, lado esquerdo da via antes desta nascente e um outro do lado direito da via, antes da nascente. muito curioso é o facto de os três formarem um “triângulo” entre si, “porquê e para quê”! pena não estarem devidamente referenciados, em termos históricos, refiro que estes “DOLMENS” foram explorados nos anos 50 do século XX, o que ali foi encontrado, penso que se encontrará algures no museu de arqueologia em Lisboa, para onde segundo li, numa exposição patente em Coruche no museu local, onde li estes elementos que referi. Recordo que como já citei, num tópico anterior, o distrito do Ribatejo, entra numa faixa estreita e prolongada dentro do Alentejo, poderão verificar num mapa.
    Segundo reza a história parece que uma das razões desta faixa estreita de entrada do Ribatejo pelo Alentejo, terá tido a ver também com este passado arqueológico e não só, mas também, existe ainda algo relacionado, existente nesta faixa estreita que um dia espero que venha à luz do dia. Enfim história das Histórias que cercam a N2. uma estrada muito especial ligando o norte e o sul de Portugal.

    Aguardo fotos dos marcos dos Km da N2, em especial dos pontos já referenciados.

    Manuel Jesus
    visite: http://www.sitesmaisuteis.pt
    mojesus@pedradaciencia.com

  48. joao manuel coelho Says:

    Um olá para todos e também um obrigado ás informações que aqui deixam. Aqui há cerca de 30 anos o Diário de Notícias publicou uma reportagem sobre esta estrada e desde aí também eu tenho especial gosto por noticias e informações relacionadas com esta estrada. Neste momento ando na tentativa de fazer um pequeno roteiro de pontos de interesse a visitar ou de histórias para contar. Assim disponibilizo a minha foto do marco dos 100 Km, ficaria contente se pudesse receber fotos ou informações de interesse ao longo desta estrada.
    UM abraço para todos
    João
    Email: joaomanuelcoelho@yahoo.fr

  49. Júlio Says:

    Embora as etapas não sejam consecutivas, efectuar a N2 em 3 etapas não é para qualquer pulmão.
    Fica aqui um incentivo de “forçaaaaa aí …” para os últimos 250 Km … em montanhas, curvas e mais montanhas …
    Antes de chegares a Chaves … e já com cerca de 233Km nas pernas, terás a última subida de registo, a subida de Vilarinho das Paranheiras, logo a seguir a Vidago, embora a subida seja curta, são sempre uns 7% de declive.
    Um abraço e votos de boa viagem!

    Júlio

  50. Jorge Santos Says:

    Cheguei ontem a Gois depois de pedalar 244 km desde Montemor. Estou fazendo a Nacional 2 aos fins de semana; a primeira etapa foi Faro /Montemor e espero fazer o resto de uma só vez.
    Um abraço
    http://namastibet.blogspot.com

  51. Júlio Says:

    Grato pela informação disponibilizada sobre a N2.
    É sempre bom saber o que de interessante se pode encontrar ao percorrê-la.
    Tenho as fotografias, tiradas ontem à noite, aos marcos do quilometro zero e do quilometro 1, mas não sei com as posso remeter para o amigo Manuel, uma vez que desconheço o seu e-mail.

    Júlio

  52. Manuel Says:

    Olá bom dia! Aqui desde Sintra, aqui a N2 não passa, mas na minha aldeia no Alentejo “CIBORRO” sim! a N2 atravessa a aldeia e é lá também que se encontra implementado o celebre Km 500.
    O amigo Júlio, quando um dia se decidir a fazer a viagem na sua totalidade vai obrigatoriamente ter que por lá passar.
    Como curiosidade, informo que esta aldeia está situada a 1 escasso Km do limite do Ribatejo, mas já se encontra em pleno Alentejo, o clima aqui apesar de quente no verão, tem características especiais.
    Em tempos do passado, era para aqui que vinham muitas pessoas de distantes pontos do País recuperar da sua saúde, doenças pulmonares entre outras, devido a esta particularidade climática. Aqui bem próximo á N2, encontra-se também um edifício monumental ” Palácio de Valencas” de traça pura do Alentejo, desenhado pelo célebre “Gustave Eiffel” no século XIX, infelizmente pouca gente no nosso País sabe e a própria autarquia local, também se tem esquecido deste palácio Histórico.

    A 15 Km, antes desta aldeia do “CIBORRO” temos outra localidade na N2, que se chama “BROTAS”. Esta localidade, desde o século XVI, até ao século XVIII, era considerada a Fátima dos nossos dias, era aqui na sua excepcional igreja que se faziam as devoções e grandes romarias Nacionais, contam-se que aqui também houve alguns “milagres”. Enfim Historia das historias da N2.

    Oportunamente enviarei foto do Km 500, agradecia que me envia-se para o meu correio a foto do marco zero da N2, se possível com as coordenadas locais pode ser que um dia passe também por aí.

    Manuel Jesus

  53. Júlio Says:

    Parabéns pelo texto sobre a N2. Sou de Chaves e a N2 é a estrada mais fantástica de Portugal.
    Já tive oportunidade de a percorrer de bicicleta entre Viseu e Chaves. Infelizmente, só conheço os primeiros 362 Km da N2.
    Estou a planear em efectuar o percurso completo de bicicleta nas férias de 2015, nessa altura o meu filho mais novo terá 15 anos. Por agora, contentamo-nos apenas em percorre-la entre a Régua e Chaves (menos de 1/7 do seu total). Para quem estiver interessado, envio uma fotografia do marco do quilometro ZERO e do local (Jardim Público – Chaves) onde a mesma se inicia.

  54. Manuel Says:

    Parabéns pelo artigo e excelente informação reportada.
    Está de facto uma recolha histórica da Nacional 2, muito boa.
    Manuel Jesus

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: