As escolas pequenas e a modernidade

Foto João Xavier - Escola de Farelos

No ano 2000, Portugal tinha uma média de menos de 52 alunos por escola, no 1º ciclo do ensino básico.
Passados 14 anos, essa média subiu para quase 91 !!!!…
A evolução das escolas do antigo ensino primário é no nosso país um dos sintomas da estupidez reinante. Quando tivermos a estatística de 2016, os dados serão ainda piores.
Além de se negar uma escolaridade inicial perto de casa aos putos que vivem em pequenas povoações (mesmo as do interior), criam-se nas grandes escolas ambientes propícios à indisciplina e à desgraça.
É assim que estamos a cuidar da educação dos nossos filhos: dando primazia aos critérios de uma falsa «austeridade» que corta no que é essencial mas não se importa com as bateladas de dinheiro mal gasto.
O ensino moderno tem como ideia fixa a teoria de que as escolas grandes é que são boas, porque disponibilizam bibliotecas, ginásios, etc., etc.. É uma balela. É uma ideia oca.
Enquanto não reabrirmos muitas das escolas que hoje estão abandonadas ou transformadas em museus, bares e sedes de clubes, bem podem fingir que trabalham para o sucesso escolar.
O sucesso escolar precisa de pequenas escolas e de pequenas turmas.
Por norma, tememos grandes mudanças na nossa vida. Temos medo que as nossas decisões nos piorem o quotidiano.
Quando temos de tomar decisões de mudança, aumentamos os índices de stress. É bem mais fácil ficarmos à espera que o destino ou os outros nos tragam as mudanças com que sonhamos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: