O povo raspadinho

raspadinhas

Recentemente, uma bonita concorrente açoriana do concurso televisivo Casa dos Segredos contou que, sendo empregada de um quiosque, vendia blocos de Raspadinhas a um cunhado e, logo que ele raspava um bom prémio, devolvia-lhe as sobrantes e ela trocava por outras de outro bloco…
O escândalo de pulhice e de favorecimento ilícito é um exemplo do quotidiano tuga.
Por isso um dia uma colega me “perguntava”: «Se não ajudarmos os nossos, quem é que os vai ajudar?!…»
Outro pormenor do moderno quotidiano tuga, facilmente testemunhado por quem diariamente frequenta quiosques é a moda das Raspadinhas.
É verdade que o Placard também está a bombar (não há cão nem gata que não aposte num joguinho…)… mas o campeão dos jogos de sorte é a Raspadinha.
Os portugueses gastam diariamente milhões de euros nisto. Pessoas pobres, com pensões e subsídios miseráveis, andam frequentemente a raspar bilhetes, na demanda de algum prémio mais chorudo. De tal modo, que quando lhes sai um prémio pequeno, gastam-no imediatamente noutro bilhete… até perderem o dinheiro investido…
Séries de 20 milhões de bilhetes emitidos só têm menos de 5 mil com prémio, que é como quem diz: em 20 milhões, mais de 15 milhões não têm prémio.
O povo português é um povo raspadinho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: