Invejas, matreirices e outras sacanices

foto vilafigueirodosvinhosblogspot - igreja de figueiro dos vinhos

Já a 2ª Guerra Mundial tinha acabado quando o Zé e a Maria começaram a namorar. Namoraram e pinaram até ao dia em que ela lhe disse que estava grávida.

O Zé ainda lhe prometeu casamento. Mas, logo que pôde, desapareceu e foi enricar em África.

A Maria pariu e registou a bebé como filha de pai incógnito.

Os anos passaram. Muitos. A Maria morreu em 1986 e o Zé em 2009, sem nunca mais se terem visto.

Só em 2011 a filha, entretanto com 62 anos de idade, resolveu tentar descobrir o seu progenitor, a partir da confidência de uma prima. E acertou em cheio.

Por meios judiciais, teve de lutar contra a má vontade dos outros herdeiros, que recorreram, sempre argumentando que ela era uma «caça-fortunas».

Só há dias, já em 2017, o Supremo Tribunal de Justiça reconheceu que investigar a paternidade não é um abuso de direito.

Os nomes são, obviamente, fictícios, mas a estória é verdadeira e mostra bem os dramas e os traumas que percorrem as vidas que compõem a nossa sociedade. Com invejas, matreirices e outras sacanices.

 

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: