Constança e o Princípio de Peter

foto joao xavier - ministra da adm interna em faro

Quando o Estado deixa morrer num incêndio 64 pessoas é porque é incapaz de uma das suas primeiras obrigações: assegurar a segurança dos seus cidadãos.

É evidente que há alturas que nem um Estado perfeito – que não é o nosso, como sabemos – pode valer. Mas, à medida que se vai sabendo mais sobre o incêndio de Pedrógão Grande percebe-se que estamos entregues aos bichos.

Os 2 parágrafos com que iniciei esta crónica não são meus, mas subscrevo-os. São da autoria de Ana Sá Lopes, no jornal i.

Eu fui das primeiras pessoas a chamar a atenção para a responsabilidade a pedir a quem deveria ter evitado a maior parte das mortes de Pedrógão Grande, que ocorreram na Estrada Nacional 236.

Por acaso, estive com a atual ministra da administração interna há um ano. E percebi que lhe falta capacidade de liderança e qualidade para o cargo de tão grande responsabilidade que ocupa. Sobrou-me a ideia de que é pessoa para navegar só em mar chão…

Com o que já vimos, Constança Urbano de Sousa assume-se como mais um caso do Princípio de Peter. É uma teoria segundo a qual muitas pessoas tendem a subir, subir, até ocuparem um cargo para o qual não têm aptidões…

A demissão que se exige não é uma espécie de pagamento nem um castigo. É o modo de se tentar colocar no lugar alguém melhor…

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: