Archive for the ‘Marcos geodésicos’ Category

O marco geodésico do Covão

15 Abril 2016

foto João Xavier - marco geodésico do Covão

Quero hoje sugerir uma subida ao marco geodésico do Covão, a 160 metros de altitude.
O marco geodésico do Covão situa-se num monte sobranceiro à Barragem de Odeleite.
Temos de tomar em Odeleite a velha Estrada Nacional 122 na direção da Mata Nacional das Terras da Ordem e, logo que termine o rail de proteção junto a um sinal de trânsito de ultrapassagem proibida, temos de subir o monte por uma vereda entre estevas e urzes.
O solo está pejado de pequenos fragmentos de xisto e a subida é íngreme, pelo que se aconselha cautela e pouca pressa.
O topo compensa: faculta-nos uma bela paisagem, com a aldeia, a barragem, a albufeira e a serrania.

O marco geodésico da cerca do cerro

31 Março 2016

foto joao xavier - marco geodésico da cerca do cerro

Manhã cedo, a meteorologia televisiva vaticinava: «dia cinzento em todo o país».
Dia cinzento uma ova!
Fiz-me ao caminho e fui procurar um marco geodésico que se vê da estrada Loulé – Benafim, já perto desta aldeia.
A primeira tentativa, há uns meses, saiu-me frustrada, mas depois perguntei a um caçador local, que me deu a melhor pista.
A partir do parque de lazer da azinheira centenária de Benafim, tomei um caminho em linha reta, subi uns 300 metros e abandonei o caminho, seguindo para a direita, o que me obrigou a subir e descer 3 valados ancestrais, sempre a aprimorar a sensibilidade que me fizesse rumar a terras com mais altitude.
O local é conhecido como «Cerca do Cerro» e faz gala ao nome. Está bem cercado por boas cercas de pedras e tem colónias de cebolas albarrãs, mariolas e outras plantas autóctones.
Cercado por um pequeno mato denso, lá está o marco geodésico da Cerca do Cerro, a 302 metros de altitude.

O marco geodésico do Cavaco

8 Março 2016

foto joao xavier - marco geodésico do cavaco-68m

Hoje, que Cavaco Silva termina duas décadas de poder em Portugal, decidi subir ao marco geodésico do Cavaco!
O marco geodésico do Cavaco situa-se a 68 metros de altitude, perto de Tavira.
Temos de tomar a estrada que sai de Tavira para Asseca junto à margem direita do rio Gilão e, logo que encontramos do lado direito um poço em ruínas, tomamos o caminho do lado oposto.
Passamos pouco depois pelas estruturas abandonadas de uma antiga pedreira e aí subimos o monte para a contornar. Chegados ao topo do precipício, continuamos a subida da elevação e vamos descobrir o marco geodésico do Cavaco sob umas linhas elétricas de média tensão.
A caminhada, esforçada no troço final, mostra-nos a ocupação esvaziada dos campos, que são percorridos por um rebanho.
Aproveitei para, antes, percorrer a urbanização da Quinta de Perogil (mesmo ao lado) e deliciar-me com a paisagem que dali se desfruta sobre Tavira e o Gilão.
Faça como eu.

O marco geodésico do Ameixial

25 Fevereiro 2016

foto joao xavier - marco geodésico do ameixial - 457m

Quero hoje sugerir uma subida ao marco geodésico do Ameixial.
Para quem sai daquela aldeia da Serra do Caldeirão em direção ao sul, o caminho de acesso está praticamente sob a primeira linha de alta tensão que encontramos junto à mítica Estrada Nacional 2.
O percurso de cerca de 500 metros tem troços com grande inclinação sobre xistos pardos e quartzos brilhantes, para nos puxar pelo físico. Contudo, a qualidade do ar que a subida nos obriga a inspirar às golfadas compensa-nos o esforço.
A paisagem serrana é magnânime. A flora, habituada a grandes secas, surpreende quem vem de longe, pela tenacidade de medronheiros e estevas a crescerem entalados entre rochas.
Tanto nos regalamos a olhar para plantas e pedras como a espraiar a vista pelo ondulado da serrania, umas vezes desmaiada pela bruma, outras com as cores aprimoradas pela luz solar.
Vá com vagar. Curta. Respire fundo. A 457 metros de altitude, há espaços e sombras para nos sentarmos no chão e retemperarmos as forças, oxigenando todas as células…

A falha sísmica da Eira de Agosto

13 Dezembro 2015

Foto João Xavier a 515 metros de altitude - Eira de Agosto

Já várias vezes, ao passear pela Estrada Nacional 2, fiz um pequeno desvio para subir ao marco geodésico da Eira de Agosto.
O que eu só recentemente descobri é que aquela zona é a referência de uma das falhas sísmicas ativas do Algarve.
A falha sísmica da Eira de Agosto tem a extensão de 7 Km, na direção noroeste / sudeste, estando referenciada como um dos acidentes tectónicos que marcam a região algarvia e formando aquilo a que alguns peritos chamam «escarpa de falha».
É uma falha sísmica ativa com uma componente de movimentação vertical de estilo ainda desconhecido e também com alguns movimentos indeterminados, segundo os mais recentes estudos da sismotectónica do Algarve.
A superfície sobre a falha da Eira de Agosto é diversa: apresenta relevos de dissecação (com grandes acidentes morfológicos provocados por riachos torrenciais) mas também superfícies de aplanação (com bons solos pouco desgastados pela erosão hídrica).
Não há registo de sismos históricos importantes com epicentro na falha da Eira de Agosto.

O vértice geodésico de Salir

24 Outubro 2015

foto joao xavier - igreja de salir

Os vértices geodésicos estão quase sempre materializados em marcos geodésicos, mas isso não é obrigatório.
Em alguns casos, o ponto está referenciado em edifícios que podem ser simples casas ou locais de usufruto público, por exemplo igrejas ou depósitos de água.
O exemplo que aqui trago hoje é do vértice geodésico de Salir: a Igreja Matriz de Salir, situada a 259 metros de altitude.
A Igreja de Salir começou por ser conhecida como Igreja de São Sebastião de Sellir e o largo adstrito faculta o visionamento de uma ampla e bela paisagem que se recomenda a quem visita aquela pacata vila serrana.

O marco geodésico da Charneca das Lebres

2 Setembro 2015

foto joão xavier - marco geodésico da Charneca das Lebres - 178m

Para quem viaja pela Estrada Nacional 120, que no Barlavento do Algarve liga Lagos ao Alentejo, diversos marcos geodésicos surgem na paisagem a oeste.
Um dos mais acessíveis é o da Charneca das Lebres, já perto de Alfambra.
A 178 metros de altitude, o marco geodésico foi implantado a poucos metros da estrada, com fácil estacionamento e facultando uns bons minutos de usufruto da natureza e dos vestígios humanos que por ali marcam também a paisagem.
Subi pela primeira vez ao marco geodésico da Charneca das Lebres em agosto de 2002 e não passo sem lá voltar sempre que vou a Aljezur. A foto que hoje publico, por exemplo, é de dezembro de 2009.

Vila do Bispo – o melhor concelho para observar aves

20 Julho 2015

Foto Joao Xavier - Marco geodésico da Cabranosa

Em novembro de 2011, fui pela primeira vez ao marco geodésico da Cabranosa.
Depois de uma caminhada por areais, já perto do ponto mais alto, deparei com um jovem barbudo, impávido e sereno, sentado num banquinho.
Por uns segundos fiquei perplexo, mas depressa percebi que o jovem estava a praticar «birdwatching» e tinha ali à mão uma potente câmara fotográfica…
Vem isto a propósito do prémio atribuído recentemente ao Município de Vila do Bispo, considerado em 2014 o melhor município português para observação de aves.
A talhe de foice, registo aqui que de 1 a 4 de outubro de 2015 vai realizar-se em Vila do Bispo o VI Festival de Aves & Atividades de Natureza, um evento que vai atrair ao Algarve muita gente que virá conhecer o potencial do sudoeste algarvio em termos de Turismo de Natureza. A não perder…

O marco geodésico dos Corujos

10 Abril 2015

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Subi recentemente ao marco geodésico dos Corujos (um nome serrenho que José Saramago achou símbolo do interior agreste algarvio quando por ali passou).
A 190 metros de altitude, a mãe Natureza esperava-me com uma prenda: uma série de maios pequeninos floridos.
Os maios pequeninos são umas plantas vivazes silvestres que adoram terrenos secos e passam despercebidas durante muitos meses e escondidas nos pequenos bolbos muitos mais, mas exibem flores de um azul berrante durante cerca de uma semana. Repare no pintalgado junto ao marco geodésico.
Há também quem lhes chame pés de burro ou pés de burrico. Os gregos chamam-lhes lírios de floretes e em Espanha são conhecidos como lírios espanhóis. O seu nome latino é «Gynandriris sisyrinchium».
Para chegar ao marco geodésico dos Corujos, pode ir pelo IC 27, no Sotavento do Algarve, saindo na estrada indicada para Azinhal e Sentinela. De seguida, vira para Sentinela, passa por esta aldeia e continua pela mesma estrada serrana. Passados poucos minutos, entra em Corujos. A sul da estrada avista o marco geodésico, acessível por uma vereda de cerca de 100 metros.

O marco geodésico de Coca Maravilhas

11 Dezembro 2014

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Perdidos nos campos, a maioria dos marcos geodésicos são de difícil deteção e até de difícil acesso, mas a exclusividade dessa característica não é rural: nas nossas cidades, a maior parte dos marcos geodésicos foram destruídos ou estão colocados em infraestruturas cujo acesso está vedado ao público.
Um exemplo é o deste marco geodésico em Portimão: foi colocado no topo de um reservatório de águas, na zona da Boavista, em pleno bairro de Coca Maravilhas, a cerca de 30 metros de altitude.
É sobranceiro a grandes empreendimentos comerciais, como o Aqua Portimão, entre outros. E, apesar de não ter nome oficial, marca a paisagem urbana da grande cidade barlaventina do Algarve.
A Câmara Municipal de Portimão ornamentou o reservatório com muito bom gosto, o que distrai os menos atentos. No topo, mesmo no topo, lá está o marco geodésico… servindo de base a algumas antenas e a um para-raios.