Archive for the ‘Penha City’ Category

Bernardino Martins

18 Maio 2018

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Perdi um amigo: morreu o grande Bernardino Martins, conhecido publicitário e jornalista algarvio.

Um veterano algarvio marafado, que do sotavento se fez à vida por todos os cantos do Algarve, espalhando dinamismo, alegria e companheirismo.

Foi árbitro e empresário, mas o futebol foi o seu maior «vício» pela vida fora. A doença recente trouxe-lhe uma tristeza indigesta, ao afastá-lo desse grande prazer que com um raro vigor octogenário ainda mantinha, fazendo reportagens para a Rádio Fóia, como na ocasião em que o fotografei no Estádio Algarve.

Já não nos brinda com o sorriso e a humildade indescritíveis que eram a sua imagem de marca, mas sobra-nos a memória de um homem bom.

 

Anúncios

Trambolhão do Guia na Penha

8 Abril 2018

KODAK Digital Still Camera

O Guia teve ontem uma jornada perfeitamente azarada na Penha: além de ter perdido com o líder 11 Esperanças, perdeu o 2º lugar!

O percurso da equipa da capital dos frangos tem vindo a ser arrasador, mas, de tanto olhar para cima, foi ultrapassada por baixo: fez lembrar o Sporting em Braga (olhou para o 1º lugar e ficou com o 4º a 1 ponto).

O desafio do fim do dia, entre 1º e 2º classificados da 2ª Divisão Distrital algarvia começou trapalhão, mas também cedo deu sinais de pender para a equipa farense, que acabou por triunfar por 2-0.

Pior ficou o Guia, que, agora a 8 pontos do 1º, deu o 2º lugar ao Inter de Almancil.

O 11 Esperanças, que me surpreendeu com Norberto a defesa central, tem agora este «currículo»: VDVDVVVVVVVVVVVEVEVVVEDV.

 

A bofetada do Cerro do Bruxo

10 Março 2018

Foto João Xavier - Cerro do Bruxo em 2009

Nos anos 90 do século passado, começou a crescer no Cerro do Bruxo (Faro) um acampamento cigano.

Foi o que motivou hoje a visita do Presidente da República, depois de um tornado ter estragado quase todas as barracas e os ciganos estarem a pernoitar no Pavilhão da Penha.

Marcelo repreendeu os políticos locais e disse que a integração daquela comunidade exige uma reforma das mentalidades e começa pela habitação. Foi uma autêntica bofetada.

Há 7 anos eu escrevi o artigo que a seguir reproduzo.

Sete anos! Sete anos em que nada foi feito!

Eis o artigo de 25 de outubro de 2011:

https://marafado.wordpress.com/2011/10/25/o-cerro-do-bruxo/

Quando fores à Penha, acertamos as contas

25 Fevereiro 2018

KODAK Digital Still Camera

Em 21 de outubro de 2017, houve um resultado completamente bizarro na 2ª Divisão Distrital algarvia: o Esperança de Lagos B goleou o 11 Esperanças por 4-0. Tão bizarro, que desde esse dia o 11 Esperanças nunca mais perdeu e o Esperança de Lagos B só num jogo com o lanterna vermelha voltou a marcar 4 ou mais golos (concretamente, ganhou por 5-1).

Ontem, foi a vez de o 11 Esperanças receber na Penha o Esperança de Lagos B e todos recordaram os 4-0…

Ao intervalo, já a equipa farense ganhava por … 4-0. Na 2ª parte, «para ganhar a eliminatória», chegou aos 5-0. E vai agora com este currículo invejável de líder incontestado:

VDVDVVVVVVVVVVVEVEV.

Na cauda da tabela, continua o Mentes do Desporto, só com derrotas(!):

DDDDDDDDDDDDDDDDDDD.

Os campos de futebol de Faro

1 Fevereiro 2018

foto joao xavier - 11 esperanças - unidos portimao

É confrangedor o modo como a cidade de Faro gere as infraestruturas do futebol!

O desporto que mais gente movimenta semana a semana dispõe na capital algarvia apenas de 3 campos: o vetusto Estádio São Luís, o encolhido campo Horta da Areia e o sobrelotado campo da Penha.

Existe ainda um outro campo, no interior da pista de atletismo (na Penha), que por pruridos vergonhosos, aberrantemente, nunca é utilizado em competições oficiais.

Esta fraquíssima dotação faz com que as dezenas de equipas farenses se vejam obrigadas a utilizar o que há, em horas bizarras, noite dentro e com uma fraca iluminação.

Agora, a Câmara Municipal de Loulé e a de Faro vão avançar com a construção de 2 campos relvados no Parque das Cidades, para tentar minorar a problemática das equipas locais, num chamado «centro de treino».

Serão, contudo, campos longe da cidade. As equipas locais terão agenda comprometida quando equipas de maior gabarito quiserem ali fazer estágios.

O novo «centro» será bem vindo, mas não será a solução. Faro precisa de mais campos de futebol com bancadas, no tecido urbano. Há áreas de expansão urbana para isso.

O rato que não gosta de café

31 Janeiro 2018

foto joao xavier - rato na estrada da penha

Ontem à tarde, encontrei este rato na Estrada da Penha, frente ao café Arco Íris, pertinho do campus universitário da Penha, na capital algarvia.

Hoje à tarde, encontrei-o ali outra vez.

Parece que entretanto não foi tomar café. Passou ali a noite, o frio é muito e as pessoas passam sem se incomodar notoriamente.

A cidade é um espaço para muitos bichos. Uns pavoneiam-se, outros fogem quando se sentem observados, outros cagam e mijam em qualquer poiso.

Os animais estão na ordem do dia. Haja quem ponha uma coleira neste rato e vá ao café lanchar com ele.

Rima ao desafio

29 Janeiro 2018

foto joao xavier -rima grafiti

As cidades vivem sempre a recriar-se.

Um dos mais recentes elementos decorativos urbanos é o grafiti, como obra criativa de jovens e menos jovens, em paredes que estão abandonadas ou pura e simplesmente sujas.

Geralmente, os grafiti são a expressão plástica do que vai na alma e na arte de quem os faz. Outras vezes, são acoplados de linguagem escrita. E, mais raramente, são apenas palavras.

Alguém, frustrado e pseudopoeta, quis rimar numa parede branca.

Depois, outrem quis troçar da rima alheia.

A expressão pública das frustrações acumuladas sujeita-se facilmente à chacota.

Louletano B salta de novo para o 1º lugar

3 Dezembro 2017

foto joao xavier - 11 esperanças - unidos portimao

Num jogo com duas equipas curiosamente capitaneadas por jogadores com o nº 23, o Unidos de Portimão jogou ontem na capital algarvia e, na Penha, apesar de ter apresentado uma equipa remendada, deixou uma boa «imagem».

Depois de ter eliminado da Taça do Algarve o Marítimo Olhanense e com futebolistas em posições que não são as suas, o mais novo clube algarvio acabou por perder pela margem mínima com o 11 Esperanças.

No topo da 2ª Divisão Distrital algarvia, o Louletano B voltou a saltar para a liderança, pois ganhou em Lagos (goleada de 5-1) enquanto em Almancil o Odiáxere não conseguiu passar do nulo.

Na cauda classificativa, vai ganhando laivos de record a persistência do Mentes do Desporto, que somou a 10ª derrota em 10 jogos.

Um golão algarvio com perfume polaco

27 Novembro 2017

foto joao xavier - alvarinho.JPG

Alvarinho nasceu em 1990. Puto da Penha, fez-se jogador no Farense, de onde mal deu nas vistas saltou para Paços Ferreira, Fátima, Torreense e Benfica de Castelo Branco.

Emigrou depois para a Polónia, onde jogou no Zawisza, no Jagiellonia e no Wroclaw.

Regressou em 2017 ao Farense e ontem, à meia hora de jogo contra o Armacenenses, disparou o golão que deu os 3 pontos aos líderes da série E do Campeonato de Portugal.

A primeira parte do jogo foi de domínio pressionante dos alvinegros da capital algarvia. Depois do intervalo, tudo mudou e o jogo acabou por se ficar pelo 1-0.

Também de romantismo e de belas histórias se faz o futebol.

Os dérbis do povo

11 Novembro 2017

KODAK Digital Still Camera

Hoje fui ver um dérbi «farense»: na Penha, o Culatrense, de gente olhanense mas administrativamente farense, recebeu o Faro e Benfica, que, também curiosamente, tem andado de casa às costas e já usou nas jornadas antecedentes a Penha e Moncarapacho como casas emprestadas.

O marcador andava em branco e eu já pensava que dérbi sem golos é como salada sem tomates… mas alegraram-me já no final do desafio, com os ilhéus a festejarem os 3 pontos.

Longe vão os tempos em que o Culatrense tinha jogadores da Culatra, pescadores «bairristas» e pouco formatados para derrotas.

No jogo de hoje, pontificavam jogadores formados no Farense e agora já trintões: Garrana, tecnicista, de azul; e Galinha, que há uns anos foi o menino bonito do Farense em tempos de Distritais, joga agora de vermelho.

As bancadas estavam mais ornamentadas do que habitualmente. O povo continua a gostar de dérbis…