Archive for the ‘Rotundas’ Category

50 mil € para destruir a vagina

12 Setembro 2017

foto joao xavier - destruiçao da rotunda da vagina

Faro está a viver um episódio surreal!

Rogério Bacalhau não quer acabar o seu mandato sem uma obra de referência: destruir a rotunda da vagina!

O arranjo estético daquela rotunda junto ao Teatro Municipal de Faro foi ao longo dos anos tido como uma representação da genitália feminina, aprimorada quando o repuxo central se exibia…

Era, afinal, um motivo para brincadeiras. Um dia cheguei mesmo a sugerir que nas bordas plantassem vegetação com algum volume (alecrim, por exemplo) para ornamentar a obra.

Pois o atual presidente do município, apesar de as finanças concelhias andarem ainda problemáticas, acha que uma obra necessária é a requalificação da rotunda da vagina, orçamentada em cerca de 50 mil euros. Cinquenta mil euros para destruir uma vagina!

 

 

Anúncios

Os migrantes e «as pessoas que não temos»

26 Maio 2017

KODAK Digital Still Camera

«À medida que o tempo passa, Portugal vai precisar cada vez mais de pessoas que não tem.» – diz João Peixoto, sociólogo.

Afinal, onde fica a velha máxima «Só fazem falta os que cá estão!»?

Os especialistas em demografia, feitas as projeções para 2060, dizem que Portugal está a envelhecer e precisa, portanto, de duas injeções: imigrantes e jovens trabalhadores. 2 em 1.

Mantendo os níveis atuais de fertilidade (uma aberração), em vez dos atuais 10,4 milhões de habitantes teríamos em 2060 uns 7,8 milhões.

Como o mundo está cada vez mais habitado, poderíamos abrir as portas para migrantes de países atulhados.

Isso, obviamente, não seria solução: além de a maioria dos «interessados» serem «não qualificados», chegariam cá e não haveria ofertas de emprego que os inserissem. Seria mais um problema.

Melhor será que vamos vivendo com o que temos e com quem temos… com menos capitalismo e com menos consumismo.

O resto são tretas… e divagações de gente de secretaria que tenta sacar umas notas à pala de uns estudos pesudoestatísticos.

Fulcral… fulcral… é termos capacidade adaptativa.

 

O Poço de Almancil

19 Maio 2017

KODAK Digital Still Camera

Os poços foram essenciais para a vida humana, durante séculos. Resistem ainda ao tempo alguns (raros) exemplares romanos e árabes.

De repente, com a canalização das águas, o final do séc. XX começou a pôr em extinção esta arte de ir ao subsolo buscar água fresca.

Hoje em dia, alguns poços resistem nas nossas urbes apenas como elemento decorativo.

O caso que aqui fotografo hoje é o do Poço de Almancil, que identificava a povoação do «Poço de Almancil».

Resta esta réplica. Como adereço de uma rotunda.

É melhor que nada…

 

António Aleixo e as moscas

20 Janeiro 2017

foto-joao-xavier-rotunda-antonio-aleixo-vrsa

Um dia, junto ao Guadiana, um nonagenário confidenciou-me a amargura com que tinha visto passar o médico («o senhor doutor») em calções.

«As pessoas já não sabem compor-se para sair à rua!» – queixava-se o velhote.

Foi na cidade pombalina que nasceu o grande poeta algarvio António Aleixo, que, parece que a propósito, fez um dia uma quadra:

«Uma mosca sem valor / poisa com a mesma alegria / na careca de um doutor / como em qualquer porcaria.»

O pobre do António Aleixo, moldado por uma sociedade hierarquizada e com limites impostos na escala social, achava que a cabeça de um doutor era algo de especial… mais que não fosse, pelo ego inflacionado.

Afinal, pensando bem as coisas, a cabeça de um doutor é como qualquer porcaria, sobretudo se o doutoramento foi de aviário ou o doutor nem doutor é… e apenas fez uma licenciatura qualquer, ao preço da uva mijona.

As habilitações superiores banalizaram-se de tal modo que encontramos licenciados empregados de lojas ou a fazer bolos. E já no tempo de Aleixo se dizia que «com papas e bolos se enganam os tolos»…

 

A mamalhuda vai às compras

10 Janeiro 2017

foto-joao-xavier-rotunda-da-lady-shopping

Almancil tem mais uma rotunda artística: é junto ao supermercado Apolónia e cor não lhe falta.
A autora da obra é Teresa Paulino, já muito conhecida por ter esculpido as figuras de pedra da rotunda do aeroporto de Faro.
A mulher que vai às compras é agora um motivo de observação atenta por parte de quem passa dentro de Almancil, pelo troço desativado da Estrada Nacional 125 naquela vila.
Pena é que a mulher não tenha umas ancas mais proeminentes. Se não fossem as mamas, a silhueta ficaria completamente desfeiada.
Atendendo a que, recentemente, uma oliveira que ali estava levou uma valente arrochada de um carro que se despistou, espera-se que a base da mulher seja bem sólida, para que um dia destes algum não leve com as mamas da «lady» em cima…

Muitas notas em altos voos…

4 Novembro 2016

foto-joao-xavier-rotunda-da-forca-aerea

É conhecida a fama de Portugal como país de corruptos… e não deixamos a fama por mãos alheias.
Muita gente que lida com dinheiros do Estado ganha a sensação de que aquilo é «para gastar», mas o caso da Força Aérea agora em foco na imprensa portuguesa mostra-nos pessoas para quem o dinheiro do Estado é um maná.
Alguns oficiais e sargentos alinhavam há anos num esquema em que faziam fornecedores inflacionar a faturação e depois lhes exigiam parte da diferença em dinheiro vivo.
Só na casa de um desses militares a PJ encontrou mais de 200 mil euros em notas! E os investigadores calculam que as verbas sonegadas serão cerca de 10 milhões de euros!
Nenhum daquele dinheiro era depositado em contas bancárias e um dos corruptos terá mesmo dito que era para permitir «uma reforma dourada». Já estão detidos 6 militares, mas os arguidos serão às dezenas…
Ou eram estes militares que voavam baixinho ou eram as notas que voavam demasiado alto…

Roubar ouro e vender pão

1 Junho 2016

foto joao xavier - acidente na rotunda do parque das cidades - maio 2016

Na entrada sul de Loulé, a «rotunda do parque das cidades» foi feita para o Euro 2004. Malamente.
O desnível que deveria ter sido corrigido tem provocado muitos acidentes, sobretudo em quem desce.
Há tempos, uma assaltante de uma ourivesaria saiu disparada, partindo o muro e caindo na ribanceira.
Há poucos dias, um distribuidor de pão saiu disparado, partindo o muro (entretanto reparado) e caindo na ribanceira.
Pelos vistos, a pressa ali não é boa conselheira nem boa condutora.
Roubar ouro e vender pão não costumam rimar. Talvez por isso a pressa que se sucede a um ato e antecede o outro só naquela rotunda acarretem a mesma consequência.

Variante de Faro com pressa de caracol

26 Maio 2016

foto joao xavier - variante de faro - nó da EN2

O complicado nó da Variante de Faro com a Estrada Nacional 2 está pronto a abrir.
A segunda rotunda, a nascente da primeira, está situada debaixo de um viaduto e vai distribuir o trânsito para Sotavento e para Barlavento, provocando uma inversão de marcha neste último caso.
Se nesta zona as obras terminaram, o mesmo não acontece mais a leste, onde a Variante termina, mas ainda não há acesso a Pechão e a saída para Olhão (para quem sai da Penha) ainda se processa por um desvio provisório.

Uma rotunda abandonada em Lagoa

23 Maio 2016

foto joao xavier - nova rotunda de lagoa

Desde os finais de março, quem circula pelo Barlavento tem deparado com uma paisagem absurda: as obras da primeira nova rotunda de Lagoa completamente paradas!
As semanas foram passando e a estupefação generalizou-se, com uma curiosidade anedótica: no meio da rotunda foi abandonado um grande camião.
O povo começou a dizer que devem aproveitar a oportunidade e deixar a viatura como ornamento da rotunda quando as obras estiverem concluídas…
Ao que consta, o reinício das obras estava previsto para hoje.
O certo é que os incómodos derivados da demora abusiva são muitos e a desorganização é notória.
A requalificação da Estrada Nacional 125 tem muitas estórias para contar…

A rotunda empachada de Boliqueime

4 Maio 2016

foto joao xavier - rotunda de boliqueime

Enquanto na Variante de Faro a 2ª rotunda do nó da Estrada Nacional 2 está pronta para abrir ao trânsito, nas obras de requalificação da Estrada Nacional 125 há duas rotundas que estão empachadas.
Uma delas é a da Fonte de Boliqueime: depois da destruição polémica do feio fontanário que ali referenciava a toponímia local, as obras têm tido uma notória lentidão.
Muita tubagem e um complicado desvio do tráfego rodoviário tem tornado necessária a presença frequente de forças policiais no local.
Tanto a este como a oeste daquela futura rotunda, o trânsito tem sido caótico.
Impõe-se ali a intervenção política, de modo a desbloquear problemas. Rapidamente.